Início Arte e Cultura por Adriana Sorgenicht Teixeira Sul dos Estados Unidos na Fronteira das Artes

Sul dos Estados Unidos na Fronteira das Artes

412
0
COMPARTILHAR

Um tour pela arte e cultura de doze estados do Sul dos Estados Unidos, excursões culturais por grandes e pequenos centros, um passeio por uma variedade de cidades charmosas e vibrantes, embalado por uma trilha sonora de ritmos incríveis, do jazz ao blues, country, rockabilly, rock ‘n’ roll, soul e muito mais. Quem poderia resistir aos encantos dessa região, berço de tantos ídolos, como B.B. King, Elvis Presley e Johnny Cash?

É o que reservamos desta vez para os nossos seguidores. Temos também a estreia de Homonymus, seção que traz os ilustres xarás da revista ARTUR. Sejam artistas ou personalidades do setor de viagens. Novembro está só começando e semana que vem tem mais, fique com a gente….

Fronteira das Artes – Internacional

Sul dos Estados Unidos aposta em arte e cultura para atrair brasileiros

Muitas atrações e novidades do sul dos Estados Unidos são divulgadas em nosso país por intermédio da Travel South USA Brasil. A organização oficial de marketing para a região, que inclui os estados do Alabama, Arkansas, Carolinas do Norte e do Sul, Georgia, Kentucky, Lousiana, Mississippi, Missouri, Tennessee, Virginia e West Virginia vem se empenhando cada vez mais em demonstrar o potencial da cultura sulista norte-americana, cujo interesse é crescente no mercado brasileiro e latino.

Uma das principais estratégias promocionais da entidade aposta justamente na música e na arte como produtos aptos a conquistar a atenção dos turistas nacionais, que somaram 125 mil visitantes em 2018, movimentando US$ 329 milhões, com expectativa para este ano de 136 mil brasileiros, o que equivale a US$ 343 milhões.

Entre os destinos mais populares incluem-se Atlanta, Memphis, Nashville e New Orleans. Mas a força musical vem de toda a região como um todo.

Para Liz Bittner, presidente e CEO da Travel South USA, “o que nos une não é apenas a proximidade geográfica, estratégica por sinal (um pouco ao norte da Flórida e ao sul de Nova York), mas toda a diversidade que podemos ofertar ao turista que nos visita”.

“Somos a região mais autêntica dos Estados Unidos, em termos de música (jazz, rock’n’roll, blues, gospel), cultura, gastronomia, esportes. Em suma, tudo com o que os brasileiros se identificam e amam desfrutar”, completa Liz Bittner.

A executiva lembra que, em Nashville (Tennessee), por exemplo, há dezenas de clubes na Honky Tonk Highway. São muitos shows gratuitos e música ao vivo a qualquer hora do dia. É uma característica única do local. Taylor Swift, Luke Bryan e Johnny Cash são alguns famosos que foram descobertos dessa forma.

Liz Bittner, presidente e CEO da Travel South, destaca algumas cidades do sul dos EUA, de forte herança musical, que podem ser visitadas – Atlanta, New Orleans, Nashville, além de exaltar a atual política favorável aos negócios entre Brasil e EUA, “o que ajuda a economia, favorece o turismo e particularmente o fluxo aos nossos estados do sul.”

Homonymus

A lenda do Rei Artur

Grã-Bretanha, começo do século VI. Muitas lendas foram criadas em torno do nome de Artur. O personagem surge em histórias que reúnem fatos históricos, mitos, contos populares e religiosidade, encantando a imaginação das pessoas através dos séculos.

Dizem que foi criado pelo mago Merlin e reconhecido como rei da Inglaterra no dia em que retirou uma espada encantada (Excalibur), que apontaria o legítimo herdeiro do trono, do pedestal de pedra em que estava engastada.

Dizem que se casou com Guinevere. Em seguida, instalou sua corte em Camelot e liderava doze cavaleiros que combatiam pelo bem e pela justiça, e que se reuniam em torno de uma solene távola (mesa) redonda.

Na verdade, Artur foi rei de uma das regiões da Bretanha (atual Inglaterra). Ele chefiou as forças que combatiam os saxões. Por volta do ano 450, a Bretanha tinha sido invadida pelas tribos dos jutos, anglos e saxões.

Os bretões foram empurrados pelos invasores para o litoral oeste da ilha e para uma ponta a sudoeste: o país de Gales. O resto do território foi dividido em sete Estados: Kent (jutos), Northumbry, Mercy, East-Anglia (anglos), Essex, Sussex, Wessex (saxões).

Artur era rei na região de Gales. Seus exércitos reuniam os bretões do sul, que tentavam manter ao menos uma parte da região que haviam dominado.

A montagem Arthur – Um Sonho de Liberdade revisitou as lendas do Rei Artur e a Távola Redonda, contando uma história em que política e crítica social estavam presentes.

Na literatura mundial, muitos autores ingleses e franceses utilizaram as lendas arturianas em suas obras. O inglês Sir Thomas Malory reuniu diversos episódios no livro Le Morte Darthur (A Morte de Artur), no século XV. Grande parte das produções modernas sobre o tema se baseia nesta publicação.

Nas artes plásticas o lendário soberano, sua corte e seus feitos serviram de inspiração e modelo para centenas de pinturas, estátuas e esculturas de diversos estilos, sendo que no cinema a lista sobre o tema também é longa.

Para conhecer melhor a lenda e relembrar a filmografia a respeito do personagem é só acessar o link http://www.adorocinema.com

Mais recentemente, em março passado estreou a superprodução Merlin e Arthur – Um Sonho de Liberdade, ao som de Raul Seixas, tendo permanecido em cartaz até final de maio deste ano no Teatro Riachuelo (Rio de Janeiro).

Leia também Dia Drummond integra calendário cultural do pais

Deixe uma resposta