Início Imagem Destaque Operadora dos novos tempos tem que agregar valores

Operadora dos novos tempos tem que agregar valores

509
0
COMPARTILHAR

Criar um bom roteiro, descobrir um destino incrível, ter parceria com bons hotéis e contratar guias responsáveis é o que se espera de uma operadora, mas como esses quesitos são obrigatórios, o “mais” tem feito a grande diferença.

Nesse momento de quase pós pandemia por que estamos passando, alguns valores se tornaram imprescindíveis para os negócios, como as questões ambientais, sociais e éticas. Valores sempre necessários, mas fundamentais nesses novos tempos.

No mercado vemos ainda ofertas adaptadas para os novos bolsos, mas sem se arquitetar nos três pilares. A própria BRAZTOA (Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), sempre foi grande incentivadora de ações como sustentabilidade, entre outras.

Operadora dos novos tempos tem que agregar valores

Algumas operadoras se destacam por agregar aos seus produtos o diferencial, que um dia deverá ser o normal, como a Viajalá com viagens onde os clientes tem a possibilidade de compartilhar seus saberes com micro empreendedores, ajudando o destino visitado; distribuindo aos passageiros copo retrátil para que ninguém utilize copos descartáveis.

Outro bom exemplo é a operadora Roraima Adventures, conhecida pelas expedições ao Monte Roraima, Rota 174, entre outros produtos, abriu em seu escritório um ponto de venda para as cestarias produzidas pelas mulheres indígenas Yanomami, capacita e contrata guias das comunidades carentes do entorno de Boa Vista e realiza ações de limpeza de áreas do Parque Nacional do Monte Roraima.

Operadora dos novos tempos tem que agregar valores
Lena, da Roraima Adventure

Nesse período de retomada, já é possível verificar uma separação espontânea do tal  “joio do trigo”. Grupos em WhatsApp se formam para discussões sobre sustentabilidade, ética e responsabilidade no turismo.

Talvez o consumidor final nem chegue a tomar conhecimento das ações realizadas, mas essa “cultura” passa a ser tão arraigada na visão dos colaboradores, que o discurso na hora da venda e no pós-venda se torna diferenciado, onde de verdade, o cliente é quem importa.

Leia outras matérias de Patrícia Campos em sua coluna

Deixe uma resposta