Início Artigos Na Serra do Tepequém, a natureza retomou seu lugar

Na Serra do Tepequém, a natureza retomou seu lugar

199
0
COMPARTILHAR

Localizada no município de Amajari, no Estado de Roraima, a Serra do Tepequém tem muitas atrações para seus visitantes.

Na Serra do Tepequém, a natureza retomou seu lugar

Começa pelo seu nome que tem uma tradução curiosa. Diz a lenda que no local existe um vulcão adormecido, vindo daí o nome de origem indígena Tepequém, que significa “Deus do Fogo” ou o “Fogo de Deus”.

A duzentos e dez quilômetros da capital, Boa Vista, chegar a Amajari não é difícil. Uma estrada bem pavimentada chega até cidade de onde se tem início a grande aventura de exploração até o platô, com seus 1.022 metros de altitude, para ver as belezas que a serra oferece.

Modificados pela mão do homem devido a intensa e descontrolada exploração de diamantes na década 1950, encostas, cachoeiras e rios foram dinamitados, mas a natureza voltou a dominar desde a proibição e aplicação de leis ambientais mais rigorosas há alguns anos atrás.

Caminhar pelas trilhas garantem surpresas a cada passo. Orquídeas e bromélias de grande diversidade brotam do meio da vegetação. Pássaros diversos criam a trilha sonora para se chegar ao platô. Por isso, até alcançar o objetivo, há muitas paradas obrigatórias.

A Serra do Tepequém guarda diversas cachoeiras e pelo menos seis devem ser visitadas. A Cachoeira do Funil (foto abaixo) foi uma das mais exploradas pelo garimpo. Com acesso um pouco difícil, compensa o visitante com uma pequena corredeira entre pedras.

Na Serra do Tepequém, a natureza retomou seu lugar

A Cachoeira do Barata, considerada uma das mais bonitas da região, forma uma piscina natural de águas verde esmeralda. Na Cachoeira do Paiva, a queda d´água que dança entre pedras, emoldurada pela mata nativa, convida para contemplar uma natureza realmente perfeita. Há ainda a Cachoeira da Laje Preta, da Laje Verde e a do Sobral.

A Vila do Cabo Sobral foi um importante ponto de compra e venda de diamantes Haviam no local muitos prostíbulos e forte comércio, com cerca de mil casas. Muitas hoje são apenas ruínas, restando um vilarejo tranquilo com gente acolhedora. Durante o caminho formações rochosas surpreendem, parecendo rostos a observar quem por ali passa.

Na Serra do Tepequém, a natureza retomou seu lugar

A Enseada da Anta, Paraíso das Araras e grutas subterrâneas são locais que devem ser visitados. Assim como o Caminho da Pedra Sabão, de onde são extraídas as pedras usadas no artesanato local.

Antes da chegada ao platô, piscinas naturais para refrescar, relaxar e preparar o corpo e a mente para o espetáculo da paisagem que se apresenta aos olhos do visitante.

A Roraima Adventures, operadora da Amazônia Brasileira, te leva para essa aventura.

Leia da mesma autora Pequenas propriedades rurais descobrem o turismo

Deixe uma resposta