Início Cruzeiros MSC compromete-se a zerar as emissões de suas operações de cruzeiro até...

MSC compromete-se a zerar as emissões de suas operações de cruzeiro até 2050

391
0
COMPARTILHAR

A Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC reafirmou seu compromisso de longo prazo com a sustentabilidade ao se comprometer a atingir zero emissões de gases de efeito estufa (GEE) nas operações de cruzeiro até 2050.

Esta meta, que abrange a marca contemporânea MSC Cruzeiros, e a marca de luxo Explora Journeys, vai além da ambição da Organização Marítima Internacional (IMO) de reduzir as emissões do transporte marítimo em 50% até 2050, em comparação com 2008. Fato que coloca a empresa numa corrida para acelerar os desenvolvimentos tecnológicos e de combustíveis necessários.

A MSC assinou o Call to Action da Getting to Zero Coalition, para acelerar a descarbonização de todo o setor de navegação, incluindo os cruzeiros. O Call to Action inclui três demandas para permitir que isso aconteça: o estabelecimento uma meta de zero emissão para o transporte marítimo até 2050; implementação de embarcações com zero emissão comercialmente viáveis até 2030; e ação conjunta dos setores público e privado. O documento será entregue aos governos de todo o globo em novembro de 2021, antes da COP26.

Pierfrancesco Vago, Presidente Executivo da Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC, disse: “Somos uma empresa familiar com mais de 300 anos de herança marítima. E sempre sentimos uma profunda responsabilidade para com o nosso meio ambiente marinho e nosso planeta. Hoje, estamos levando nosso compromisso um passo adiante ao adotar um futuro com zero emissões dentro das próximas três décadas. Alcançaremos isso investindo e apoiando o desenvolvimento acelerado e a implementação de tecnologias inovadoras e de ponta. Com isso, elevaremos continuamente o padrão de desempenho ambiental e liderando nosso setor.

“A colaboração entre operadoras, estaleiros, empresas de tecnologia, instituições acadêmicas, autoridades públicas e governos será essencial. Já existem sinais encorajadores de que tais parcerias possam possibilitar o progresso, mas podemos e devemos fazer mais. Peço a todas as partes para trabalharem incansavelmente para esse fim, e assim fazer a próxima grande transição energética em nossa indústria. ”

Nos últimos anos, a Companhia tem se concentrado na redução da intensidade das emissões de GEE por meio da introdução de medidas de eficiência energética e de melhoria operacional em sua frota. Tendo introduzido uma melhoria anual da eficiência entre 2-4% em toda a sua frota, em 2019 a Empresa alcançou uma melhoria de 28% em sua eficiência em comparação com 2008, e está bem encaminhada para cumprir a meta de redução de intensidade de 40% da IMO para 2030.

Olhando para o futuro, as melhorias de eficiência energética e as medidas operacionais por si só não serão suficientes para colocar o setor marítimo no curso da descarbonização. Por isso, a Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC está ajudando ativamente a acelerar a significativa evolução tecnológica necessária. Com esse espírito, a empresa participa de diversos projetos de pesquisa do setor. A meta é buscar desenvolver tecnologias e combustíveis que ofereçam potencial para viabilizar navios com zero emissão.

Navios movidos a hidrogênio

A Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC recentemente firmou uma parceria com o estaleiro líder Fincantieri e a empresa de infraestrutura de energia Snam para determinar, em conjunto, as condições para o projeto e construção do que poderia se tornar o primeiro navio de cruzeiro híbrido, movido a hidrogênio e GNL, o que permitiria operações com zero emissões em certas áreas.

Isso inclui organizar os espaços dos navios para acomodar as tecnologias de hidrogênio e células de combustível necessárias. Além de identificar os parâmetros técnicos dos sistemas de bordo, calcular as reduções potenciais de emissões de gases de efeito estufa e fazer uma análise técnica e econômica em relação ao suprimento de hidrogênio e à infraestrutura em terra.

Células de combustível em embarcações movidas a GNL

As células de combustível oferecem grande potencial para alcançar reduções significativas. A empresa já encomendou três navios que operarão com GNL, um combustível de transição que oferece até 21% menos emissões de gases de efeito estufa. Agora está estudando a integração de células a combustível como meio de obter reduções adicionais.

Em 2019, a Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC e o Chantiers de l’Atlantique lançaram o Blue Horizon, um projeto de P&D inovador que se concentra na integração de uma tecnologia de célula de combustível de óxido sólido (SOFC) em navios de cruzeiro movidos a GNL.

Aperfeiçoamento da tecnologia de célula de combustível

A Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC também se juntou a um consórcio com a GE Power Conversion, a Lloyd’s Register e a Ceres Power Holdings. O objetivo é explorar como lidar com as barreiras na adoção de células de combustível em navios de grande porte. Ele examinará como as SOFCs podem ser integradas à funcionalidade operacional de um navio. Incluindo a arquitetura e o layout de energia e de propulsão existentes. Isso permitirá que o impacto do uso da tecnologia SOFC seja quantificado em termos de redução geral de emissões. O projeto recebeu financiamento como parte da Clean Maritime Demonstration Competition do Departamento de Transporte do Reino Unido.

Tecnologias de baixo carbono e design de navios

A Divisão de Cruzeiros do Grupo MSC também tem parceria com líderes da indústria e acadêmicos num projeto de pesquisa. Ele promove o transporte de baixo carbono combinando tecnologias de energia progressiva e design inovador de navios. Liderado pela Universidade de Vaasa, o CHEK Consortium – deCarbonising sHipping by enabling Key Technology symbiosis on real vessels concept designs project – envolve a World Maritime University, Wärtsilä, Cargill e Lloyds Register, entre outros.

Com estes e outros projetos, o Grupo MSC continuará a trabalhar para um futuro de zero emissões para toda a indústria de cruzeiros.

Leia mais sobre o setor de cruzeiros

Deixe uma resposta