Início Alimentação Juma Ópera oferece imersão na gastronomia local

Juma Ópera oferece imersão na gastronomia local

88
0
COMPARTILHAR

A experiência de hospedagem no recém-inaugurado Juma Ópera, hotel-boutique localizado no centro histórico de Manaus, tem passagem obrigatória pela gastronomia executada em seu restaurante Ópera, um elegante gazebo com cúpula de ferro e feito em vidro, que tem o Teatro Amazonas como pano de fundo.

O restaurante propicia aos hóspedes uma verdadeira imersão na culinária local. Suas criações são assinadas pela chef Sofia Bendelak, em um menu dedicado à riqueza dos ingredientes amazônicos, aliado às receitas e técnicas internacionais.

O cardápio apresenta duas versões: ‘Amazônia Profunda’, que é totalmente local e explora os melhores peixes, frutos, raízes e vegetais regionais, e ‘Clássicos’, para aqueles que não abrem mão de um prato tradicional bem executado.

O menu amazônico traz nas opções de entrada Sopa de Caranguejo; Camarões crocantes com bisque; e Ceviche de Aruanã com ‘leite de tigre’ amazônico e chips de legumes.

Entre os  pratos principais, destaque para Filé de Pirarucu fresco com crosta de castanha do Brasil, purê de banana da terra picante e legumes confitados; Moquequinha de Tucunaré com arroz de castanha e pirão de coco; Costelas de Tambaqui no mel de tucupi com uma releitura de baião de dois e farofinha de castanha do Brasil; Surubim com caramelo de algo assado, purê de cará roxo e pérolas de tucupi; Risoto de tacacá tucupi, goma de mandioca, jambu e camarão seco; Raviolini recheado com Pirarucu defumado e pesto de jambu; e Picanha com molho de tucupi negro,arroz, leite de castanha e farofinha de bacon tostado R$79.

No cardápio, sobremesas com sabores exóticos da Amazônia

Para encerrar esse festival de sabores marcantes, a seção de sobremesas apresenta opções não menos impactantes. Entre as opções está o Crème brulée amazônico, interessante releitura do clássico francês que leva também o exótico cupuaçu, fruta com sabor entre o ácido e o umami (quinto gosto básico reconhecido pelo paladar); Mil folhas de tapioca com mousse de coco e calda de cumaru; Churros com caldo de cupuaçu e sorvete de castanha; e Texturas de chocolates amazônicos R$32.

Na versão dos clássicos os hóspedes podem encontrar Tournedos de mignon ao poivre, ragu de cogumelos e risotinho de limão siciliano; Arroz de pato confit; Ravioli de costela bovina com molho roti; Linguini ao pesto de manjericão; Bombom de alcatra com batata rosti e farofa de ovo; e Costeleta de cordeiro oriental com cuscuz marroquino e grão de bico, legumes e chutney de tomates. Já entre as sobremesas estão Tarte Tatin de banana, caramelo salgado e chips de banana e Creme de abacate com licor artesanal.

Para quem viaja com crianças a sugestão é o menu Infantil, com opções de massa, filé de frango, peixe e filé mignon. O restaurante funciona diariamente para café da manhã, almoço e jantar.

Juma Ópera tem vista para o Teatro Amazonas

O complexo do hotel-boutique, inaugurado no último dia 2 de fevereiro, é formado por dois casarões tombados e restaurados e dois prédios construídos no mesmo estilo, e tem vista para o Teatro Amazonas, obra-prima inaugurada em 1896, durante o Ciclo da Borracha.

Hospedar-se no Juma Ópera é a chance de estar ao redor de todo esse patrimônio cultural, desfrutando do conforto de uma acomodação de categoria superior.

O hotel conta com ambientes com pé-direito altíssimo, bar, restaurante, rooftop com piscina, academia e espaços para reuniões e eventos. Sua arquitetura ficou por conta de Roberto Vinograd, enquanto a decoração de ambientes é assinada por Debora Aguiar.

Cuidadosamente decoradas em tons pastéis, as 41 suítes possuem ar-condicionado, acesso à internet sem fio, frigobar e TV, além de portas e janelas tratadas acusticamente. Algumas também contam com banheira.

A integração com o Teatro Amazonas é total. Além de painéis solares e fiação embutida para valorizar a vista ao símbolo da cidade, há som ambiente nas áreas comuns com músicas que remetem a ele.

Leia também Experiência de respeito à natureza na Amazônia

Deixe uma resposta