Início Artigos Hora de investir em Comunicação

Hora de investir em Comunicação

169
0
COMPARTILHAR

Uma das medidas mais frequentes e, ao mesmo tempo, mais equivocadas é cortar todos os investimentos em marketing e comunicação na hora da crise. Equivocada porque leva à perda de competitividade e, muitas vezes, joga na lata do lixo o trabalho feito até aquele momento. Na hora de retomar, é preciso começar do zero.

Vimos esse mesmo cenário na crise econômica de 2014 e 2015. O fato é que muitos empreendedores, pequenos e médios empresários, promovem cortes na área de marketing também porque sabem que é fácil reativar.

Ou pelo menos mais fácil do que contratar pessoas. Quando demitimos alguém há custos pesados e ao encerrar um contrato com uma agência de assessoria de imprensa ou de gestão de redes, os custos são bem menores ou até inexistentes.

Mas o que cabe refletir é se comunicação é de fato investimento ou é despesa. Penso que, sem sombra de dúvida, é investimento e por essa razão precisa ser constante, não passível de cortes e suspensões temporárias.

As perdas em termos de imagem quando abrimos mão de estar presente nas redes sociais, quando deixamos clientes ou potenciais clientes sem resposta ou da noite para o dia deixamos de ocupar espaços na imprensa é imensurável. E vai refletir nas vendas futuras.

O duro é que como não dá para saber o que deixamos de ganhar, seguimos na ilusão de que não fez diferença. Pois pode estar certo de que fez diferença sim, a marca saiu perdendo e muito. O empreendedor que segue investindo sempre em comunicação sabe disso.

Nossa sugestão é sempre trabalhar com agências que sejam parceiras. Sejam flexíveis e compreensíveis para entender momentos mais ou menos difíceis, assim capazes de adaptar contratos e seguir com o trabalho. Sem interrupções. Garantindo que na retomada a empresa vai decolar em larga vantagem rumo à recuperação do tempo perdido.

Parceria é a chave do sucesso de todo negócio e é preciso buscar parceiros fiéis e verdadeiros em todos os campos. Não será diferente na comunicação.

 

 

Artigo de Marcela Matos, jornalista especializada em Comunicação Corporativa para as áreas de aviação, turismo e negócios
Leia também As transformações causadas pela pandemia nas empresas

Deixe uma resposta