Início Entidades de Classe Abertura do Conotel 2020 destaca quais serão os caminhos do setor de...

Abertura do Conotel 2020 destaca quais serão os caminhos do setor de turismo

292
0
COMPARTILHAR

Com a presença de diversas lideranças do turismo brasileiro e três atuais ministros de estado, Marcelo Álvaro Antônio, do Turismo, Tarcísio Gomes de Freitas, da Infraestrutura, e Ricardo Sales, do Meio Ambiente, o Conotel 2020 em sua versão híbrida (on-line e presencial) contou com apresentações e debates, mediadas pela vice-presidente da ABIH Nacional, Érica Dumond. O tema principal foi o momento do turismo e os caminhos que o setor deve seguir a partir de agora.

Abertura do Conotel 2020 destaca quais serão os caminhos do setor de turismo
Gílson Machado, presidente da Embratur, Ricardo Sales, ministro do Meio Ambiente, e Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo

Hoje, o evento prossegue a partir das 15 horas, com o tema: “Trabalhando o Novo Normal – Hotelaria, Turismo, Agenciamento, Aviação e Eventos”. Estarão presentes Chieko Aoki, presidente da Blue Tree Hotels, Patrick Mendes, CCO da Accor Global, Eduardo Sanovicz, presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas, Claiton Armelin, diretor executivo de Produto Terrestre Nacional da CVC Corp, Toni Sando, presidente da Unedestinos, e Alexis Pagliarini, presidente executivo da AMPRO – Associação de Marketing Promocional.

Na abertura do primeiro dia do Conotel 2020, o presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares, agradeceu a presença de todas as autoridades e da plateia virtual no evento – que chegou a mais de 2.000 pessoas.

Abertura do Conotel 2020 destaca quais serão os caminhos do setor de turismo

“Quero lembrar o apoio que tivemos para conseguirmos realizar o Conotel 2020. Empresas parceiras como a Reed Exhibitions, os Estúdio Hoffmann e RenTv. Além dos patrocinadores Souza Cruz, Realgems, ABMotéis (Associação Brasileira de Motéis). Sem o suporte dessas empresas e entidades, nada disso seria possível”, afirmou o presidente da ABIH Nacional.

Em sua primeira intervenção, a vice-presidente da ABIH Nacional perguntou ao ministro do Turismo quais as ações do governo federal já tinha tomado para incentivar a retomada do turismo.

“Socorremos as empresas com a Medida Provisória 936, que permite a flexibilização da jornada do trabalho e a suspensão temporária dos contratos. Já a MP 948 regulamentou a questão do reembolso dos valores de reservas, preservando os direitos dos consumidores. Mas sem impor às empresas a devolução dos valores de imediato, o que seria desastroso para o setor. E a MP 963 viabilizou um crédito de R$ 5 bilhões através do Fungetur. Isso fez os recursos chegarem na ponta, através do credenciamento dos bancos comerciais”, afirmou o ministro do Turismo.

Ele ressaltou ainda a criação do “Selo de Biossegurança” que tem a chancela da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Em seguida, Gílson Machado, presidente da Embratur, que estava em viagem a Fernando de Noronha junto do ministro, afirmou que vem visitando diversas cidades e que o momento é de otimismo com a retomada das atividades. “Somos um país com 6 biomas. Um dos que têm maior vocação para o turismo de natureza que é grande tendência nesse momento por suas características. Precisamos trabalhar para fazer a participação do turismo no Produto Interno Bruto (PIB) tenha maior relevância e ultrapasse os 8% que representa hoje”, disse.

Ricardo Roman, presidente da ABIH-SP destacou a importância da união de todos em busca de soluções para setor de turismo e hotelaria. “Basicamente, temos três tipos de turismo: lazer, eventos e corporativo. Os dois últimos devem demorar a retomar. Já as cidades turísticas estão com uma ocupação razoável, em torno de 50%. Os protocolos de saúde, estabelecidos junto às autoridades, têm garantido a segurança de turistas e colaboradores. Isso ajudou a retomada do turismo de lazer. A expectativa é a chegada da vacina para ter um ponto final nessa questão”, afirmou.

Abertura do Conotel 2020 destaca quais serão os caminhos do setor de turismo

Milton Vasconcelos, presidente do Conotel 2020, destacou a importância da Equipotel para a troca de informações entre fornecedores e representantes da hotelaria. Ele lembrou também o trabalho conjunto das entidades ligadas ao turismo para que que alguns pleitos antigos do setor fossem conquistados.

“Tivemos grande avanços mas ainda é preciso ir adiante. Entre os pontos fundamentais estão a regulamentação do aluguel por temporada e a liberação dos cassinos em destinos propícios para receber esse tipo de empreendimento. Além, é claro, da urgente diminuição da carga tributária que incide sobre o setor de hotelaria”, afirmou.

Após as apresentações das autoridades, a mediadora Érica Dumont deu início ao “Painel expectativas e tendências para 2021”. Apresentaram-se sobre o tema Raul Martins, presidente da Hotelaria de Portugal, Orlando Souza, presidente executivo do FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, Sérgio Souza, presidente da Resorts Brasil, além do presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares.

O representante da hotelaria portuguesa destacou que suas expectativas são de que o turismo só retorne aos números anteriores à pandemia em 2022. “Pesquisas nos Estados Unidos mostram que 45% das pessoas entrevistadas só pretendem viajar depois da vacina. Por enquanto, o que temos, como aqui no Brasil, é um aquecimento ainda pequeno do turismo regional, mas Portugal, que depende muito mais do viajante de fora, a situação é mais complexa, pois não temos tantas alternativas e diversidade como o Brasil”, comentou.

Na sequência, se apresentaram Sérgio Souza, presidente da Resorts Brasil, que destacou a importância da criação do G20, grupo que reúne as 20 principais entidades ligados ao turismo no Brasil, para trabalhar de forma conjunta para estimular o setor, Orlando Souza, presidente executivo do FOHB, afirmou que é preciso começar a trabalhar para aumentar a disponibilidade de quartos oferecidos. Na sua avaliação, há uma demanda reprimida que pode ser uma saída para a hotelaria focada em lazer.

Para encerrar o primeiro dia de evento, o presidente da ABIH Nacional lembrou que o setor de hotelaria chegou a ter suas atividades praticamente paralisadas, recebendo apenas profissionais de aviação e da área de saúde. “Temos que olhar para frente e tudo indica que o turismo regional será o motor da retomada. Hoje, podemos afirmar com toda certeza que a hotelaria está preparada para receber esses turistas, respeitando todos os protocolos, do check-in ao check-out”, finalizou.

Leia também Semana da Hospitalidade Equipotel

Deixe uma resposta