Início Fornecedores 2020: A revolução dos meios de pagamento

2020: A revolução dos meios de pagamento

648
0
COMPARTILHAR

O Banco Central tem anunciado diversas novas medidas que prometem revolucionar com o mercado de meios de pagamento em 2020.

O universo digital estará cada vez mais presente no dia a dia da sociedade. Ele modificará a forma como consumimos e oferecemos produtos e serviços. Seja através de carteiras digitais, QR Code, pagamentos por aproximação, entre outras tecnologias. Veja a seguir alguns meios de pagamento que talvez você ainda não conheça.

Matera

A empresa desenvolve tecnologia para a área financeira, fintechs e gestão de risco e está presente há mais de 30 anos no mercado. Com mais de 40 soluções que cobrem o core bancário, inclusive um pagamento por QR Code offline, a Matera tem especialistas para falar sobre os mais variados tipos de assunto que envolvem meios de pagamento, bancos, startups e varejo. E mostrar os impactos que tudo isso trará para a vida do comerciante e da população em geral.

MovilePay

Lançada em janeiro deste ano, a MovilePay já conta com mais de 10 mil restaurantes parceiros que utilizam o QR Code do iFood como forma de pagamento, além de bancas de jornal espalhadas pela cidade de São Paulo, supermercados, postos de gasolina e até salões de beleza.

Além da tecnologia de QR Code, a empresa também tem em sua carteira de produtos os terminais POS (mais conhecidos como maquininhas de cartão). Além de outras soluções financeiras para restaurantes.

Peixe Pay

É uma carteira digital lançada em agosto de 2019 pelo Peixe Urbano, onde o consumidor consegue pagar usando QR Code em estabelecimentos credenciados. O aplicativo já disponível em vários restaurantes do Rio de Janeiro e Florianópolis. Segundo a empresa, o objetivo é estar presente no restante do país no começo de 2020.

As próximas etapas do projeto também incluem ampliar a solução para permitir pedidos antecipados, take-out, divisão do valor entre duas ou mais pessoas, transferência entre usuários, modelo pré-pago, cartão de débito, pagamentos de contas, recarga de celular e até o cadastro de outras e-wallets como forma de pagamento.

Celcoin

Lançada em 2016, a fintech Celcoin é voltada para impacto social,. Sua missão é democratizar o acesso a serviços financeiros no Brasil. Funciona por meio de um aplicativo que transforma qualquer smartphone em um terminal para recebimento de contas, recarga de celular, jogos, passagens rodoviárias, planos de TV e venda de créditos para Uber e Netflix.

Atuando no país via 20.000 “agentes Celcoin” – autônomos, pontos de venda e varejistas – e em mais de 2.000 cidades – a empresa superou a marca de 10 milhões de transações em 2018. Além de mais de R$ 8 milhões de bonificações concedidas aos agentes. Beneficia milhões de brasileiros que deixaram de percorrer grandes distâncias até uma agência bancária ou lotérica para realizar transações financeiras.

Beblue

Criado em 2016, o Beblue é a primeira fintech brasileira de pagamentos que permite ao consumidor aumentar seu poder de consumo por meio de recompensa em cashback. Ela oferece também ao estabelecimento a possibilidade de adquirir e fidelizar o cliente.

O usuário tem acesso a sua carteira digital e por meio dela o saldo pode ser gerado de três formas: cashback por compras, dinheiro depositado por amigos e depósitos via boleto, modelo de crédito pré-pago.

Desde o início da operação, o Beblue já movimentou mais de R$ 2 bilhões em vendas. Além disso, devolveu mais de R$ 200 milhões em cashback e teve mais de 5 milhões de downloads do aplicativo. Atualmente, possui mais de 16 mil estabelecimentos cadastrados.

iZettle

Presente no Brasil desde 2013, a iZettle foca em apoiar a gestão de negócios dos micro, pequenos e médios empreendedores do país. Além da máquina de cartões, que funciona com tecnologia contactless, a fintech sueca oferece uma solução de gerenciamento completa, por meio de aplicativo gratuito e online que permite administrar a frente de caixa, o estoque, o faturamento do negócio e gerar relatórios de performance.

Leia outras matérias sobre formas de pagamentos ligadas ao setor de turismo

Deixe uma resposta