Início Aviação Viajar de avião aumenta as chances de contrair gripe?

Viajar de avião aumenta as chances de contrair gripe?

3354
0
COMPARTILHAR

Em breve, chegam as férias de julho. Muitos brasileiros aguardam essa época ansiosamente pela viagem que tanto planejaram. Tem gente que fica preocupada na hora do voo, pois acha que o ambiente de uma aeronave facilita pegar uma gripe. No entanto, isso não é bem o caso. A médica da KLM Health Services, Didi Aaftink, esclarece algumas questões sobre o tema.

O que causa a gripe?

A Influenza (comumente conhecida como gripe) é uma infecção viral do sistema respiratório causada pelo vírus de mesmo nome. No hemisfério sul, o período de pico da gripe é de maio a setembro. No hemisfério norte, o período de pico é de novembro a março.

Os sintomas mais comuns são: início súbito dos sintomas, febre e infecção das vias respiratórias superiores (resfriado, dor muscular, dor de cabeça, fadiga e mal-estar geral).

A infecção ocorre geralmente por meio do sistema respiratório (gotículas contendo o vírus transportadas pelo ar). Pouquíssimas dessas gotículas são necessárias para que uma pessoa adoeça.

O contágio por meio do contato direto (beijar e apertar as mãos) também é possível, mas, em seguida, uma maior quantidade de vírus são necessários para realmente adoecer alguém, principalmente porque ele não vive por muito tempo fora do nosso corpo. Demora de um a cinco dias para que uma pessoa realmente fique doente depois de ser infectada.

A sobrevivência do vírus também depende da umidade do ar, temperatura e radiação UV (luz solar). Ele sobrevive melhor sob condições frias e secas, como no inverno.

A luz do sol faz com que o vírus fique inativo. Isso explica por que você é mais suscetível à gripe durante o inverno. Época mais fria e menos ensolarada. E, além disso, você tende a gastar mais tempo em espaços fechados e mais próximo de outras pessoas.

Você pega gripe mais rapidamente por causa do sistema de ventilação de uma aeronave?

A circulação de ar em uma aeronave ocorre verticalmente, da parte superior (cabeças dos passageiros) para a parte inferior (sendo absorvido através das aberturas que ficam ao nível do chão) e não da frente para trás como frequentemente se pensa.

O ar é resfriado a cada dois ou três minutos. Metade do ar vem do exterior da aeronave. Este ar é especialmente filtrado. A outra metade do ar na cabine é reutilizada após ser completamente filtrada.

O dióxido de carbono (CO2) e microorganismos, como bactérias, são então removidos através deste sistema de filtragem. O ar a bordo de uma aeronave é geralmente muito mais limpo do que o ar em edifícios ou em transportes públicos no solo.

No entanto, o ar em uma aeronave é muito seco. Quando a umidade é baixa, o muco do nariz e da garganta pode ficar seco e o sistema imunológico pode ser menos eficaz nesses pontos. Nesse caso, nos tornamos mais propensos a bactérias e vírus. É por isso que é tão importante manter-se hidratado durante o voo.

A contaminação pelo vírus da gripe a bordo não está, portanto, diretamente relacionada à circulação de ar. É, na verdade, a proximidade entre as pessoas que pode favorecer o contágio. Esse risco não é maior do que em outras formas de transporte público e ambientes coletivos no solo.

Certifique-se de tomar as precauções necessárias: lave as mãos com frequência, beba bastante líquido (e evite o álcool e a cafeína), use lenços de papel e evite tocar o nariz e a boca o máximo que puder.

A vacina contra a gripe

Em cada hemisfério, a cada ano, a vacina contra Influenza é composta com base nos dados epidemiológicos mais recentes da OMS – Organização Mundial da Saúde. Pouco antes do início da temporada de gripe, a vacina fica disponível. Em ambos os hemisférios – norte e sul – a composição da vacina tem diferenças.

Nos Países Baixos, certos grupos de risco médico (incluindo os maiores de 65 anos e qualquer pessoa com um estado grave de saúde a longo prazo) são aconselhados a tomar a vacina.

No Brasil, o Ministério da Saúde indica que adultos a partir do 60 anos e crianças de seis meses a cinco anos de idade, recebam a vacina todos os anos.

Se você é um viajante frequente (de negócios, por exemplo), deve se considerar parte da população de risco. Novamente, não por causa da qualidade do ar no avião. Mas por conta da frequência a que se submete ao contato contínuo com grandes grupos de pessoas, o que o expõe a uma maior variedade de vírus.

Outro ponto importante, é a privação do sono causada por jetlag, mudanças de temperatura, climas diferentes, outros tipos de alimentos e possivelmente estresse. Tudo isso exige muito do seu sistema imunológico. Por esta razão, é aconselhável tomar a vacina para prevenir complicações da gripe.

Leia também: Tire suas dúvidas sobre seguro viagem

Deixe uma resposta