Início Imagem Destaque Turismo e o desafio inevitável de ser sustentável

Turismo e o desafio inevitável de ser sustentável

1193
0
COMPARTILHAR

Diferentes relatórios concordam que 2022 será um ano em que se acentuará a recuperação da indústria do turismo a nível global. Por isso, é grande a oportunidade para reconstruir um turismo inovador e sustentável.

Durante as quarentenas impostas pela Covid-19, muitos destinos que costumavam ser de alta demanda mostraram mudanças positivas em seus ambientes naturais. Isso coloca o desafio de alcançar um equilíbrio tendo em vista que, sem um planeta saudável, não há futuro para o turismo.

Esta semana, um passo vital foi dado para fazer um progresso significativo em direção a esse objetivo. A OMT juntou-se à Fundação de Liderança Avançada e à Fundação Incyde das Câmaras de Comércio da Espanha na Cúpula Mundial para o Futuro do Turismo (26-27 de outubro de 2021).

Destacando a relevância inédita do turismo, o evento contou com a participação de lideranças das esferas empresarial, política e internacional.

O Rei Felipe VI da Espanha fez parte como Presidente Honorário. Também participaram o Secretário Geral da OMT, Zurab Pololikashvili, Rebeca Grynspan, a Secretária Geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), Mauricio Claver-Carone, Presidente da Interamericana Banco de Desenvolvimento (BID), Juan Carlos Salazar, Secretário-Geral da Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), Reyes Maroto, Ministro da Indústria, Comércio e Turismo da Espanha, Juan Verde, Presidente da Advanced Leadership Foundation e José Luis Bonet, Presidente das Câmaras de Comércio da Espanha. Junto com eles estiveram 10 ministros do turismo pessoalmente.

Colaboração, financiamento e inovação

A cúpula deixou clara a importância da colaboração, bem como o papel vital que o financiamento do setor vai desempenhar para aproveitar seu poder de inovação na construção de um turismo mais resiliente e sustentável.

O Secretário-Geral da OMT, Zurab Pololikashvili, disse: “Esta cúpula deixa clara a importância da colaboração, bem como o papel vital que o financiamento do turismo e o aproveitamento do poder da inovação desempenharão para construir um turismo mais sustentável”.

Juntando-se ao Secretário-Geral Pololikashvili para um debate de alto nível sobre ‘Financiar o futuro do turismo’, a Secretária-Geral da UNCTAD Rebeca Grynspan destacou que “o turismo precisa de investimento e apoio político”. A Sra. Grynspan reconheceu a UNWTO por seu trabalho na promoção de acreditações e certificações desde o início da crise, acrescentando: “O turismo pode ser uma energia muito boa e portanto uma força para reconstruir melhor, de forma diferente, sustentável, e em conjunto”.

Em um programa que refletiu as principais prioridades da OMC e do turismo global em geral, o primeiro dia se concentrou no financiamento do futuro do turismo, em particular na aceleração da mudança para um crescimento líquido zero.

Com a chegada de líderes mundiais em Glasgow para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26) na próxima semana, as discussões em Barcelona tornaram clara a determinação do turismo em abraçar a inovação e garantir o financiamento necessário para que o setor cumpra suas responsabilidades de ação climática.

A Cimeira culminou com o “Call to Action” de Barcelona, ​​uma declaração de intenções assinada por governos, destinos e empresas que delineia uma visão partilhada para um turismo mais sustentável, mais inclusivo e resiliente, citando o potencial contributo do setor para os Objetivos de Sustentabilidade Desenvolvimento e altere para zero líquido.

Sem tempo a perder

A quantidade de dióxido de carbono na atmosfera tem grandes repercussões negativas em nosso dia a dia e bem-estar. Devemos assim transformar todo o nosso estilo de vida, de acordo com um novo relatório da ONU. Se a taxa atual de emissões de gases de efeito estufa na atmosfera for mantida, o aumento da temperatura no final do século excederá em muito a meta do Acordo de Paris.

A abundância de gases de efeito estufa que retêm calor na atmosfera atingiu um novo recorde em 2020 com uma taxa de crescimento anual acima da média entre 2011 e 2020, de acordo com o último Boletim da Organização. World Weather Report (WMO) sobre gases de efeito estufa, o que indica que essa tendência continua durante o ano em curso.

A concentração de dióxido de carbono (CO2), o gás de efeito estufa mais importante, atingiu 413,2 partes por milhão (ppm) em 2020 e está portanto acima de 149% acima dos níveis pré-industriais.

“A quantidade de CO2 na atmosfera ultrapassou a marca de 400 ppm em 2015. E apenas cinco anos depois, ultrapassamos 413 ppm. Esta não é uma mera fórmula química e alguns números em um gráfico. Isso tem grandes repercussões negativas para nossa vida diária e bem-estar, para o estado de nosso planeta, assim como para o futuro de nossos filhos e netos “, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

A Organização avisa que, se não cessou as emissões, o a temperatura global continuará a subir.O dióxido de carbono é um gás que se caracteriza pela sua longa duração e, portanto, o nível de temperatura que observamos atualmente irá persistir por várias décadas, embora as emissões sejam reduzidas rapidamente até atingir um nível líquido zero.

Se somarmos o aquecimento global a esta situação, o resultado final que obteremos será a proliferação de fenômenos meteorológicos extremos, como episódios de calor intenso, chuvas intensas, derretimento de massas de gelo, elevação do nível do mar e acidificação dos oceanos, que irão têm repercussões socioeconômicas de longo alcance.

Cerca de metade do CO2 atualmente emitido pelas atividades humanas permanece na atmosfera, enquanto os oceanos e os ecossistemas terrestres absorvem a outra metade.

O boletim alerta para a possibilidade de que, no futuro, os oceanos e os ecossistemas terrestres percam sua eficácia como “sumidouros”, diminuindo sua capacidade de absorção de CO2 e atuando como reguladores que previnem novos aumentos de temperatura.

Leia também sobre destinos de ecoturismo, aventura e esportes