Início Conventions e Captação Temas importantes marcam a Expo Forum Visit SP

Temas importantes marcam a Expo Forum Visit SP

329
0
COMPARTILHAR

Com 28 painéis abordando temas interessantes, a Expo Forum Visit SP contemplou os diversos segmentos do Turismo através de uma programação realizada, simultaneamente, em dois auditórios.

Na pauta do intenso programa, a união da ABIH-SP e Airbnb trouxe à tona as parcerias inusitadas que têm como objetivo a recuperação do Turismo.

A diretora de Relações Institucionais do Airbnb, Flávia Matos, traçou um breve perfil sobre a plataforma de comercialização, acomodação e experiências em viagens, na qual pessoas físicas e jurídicas podem fazer diversos tipos de anúncio. “Desde que cumpram com legislação local aplicável a cada atividade. E com as regras estabelecidas em seus termos de serviço”, explicou.

Segundo Flávia, em 12 anos o Airbnb acumulou mais de 750 milhões de chegadas de hóspedes. E está presente em mais de 220 países e regiões. “Com a pandemia, a partir de março fizemos o cancelamento com reembolso integral. Essa situação nos afetou muito. Tanto que precisamos de um empréstimo de USD 2 bilhões. E, em maio, dos 6.500 funcionários, houve o corte de 1.900”, relata.

Para a representante da plataforma, o mercado está mudando e o aplicativo já está reformulado para atender o turista que agora tem “preferência por destinos de até três horas de carro, distante de aglomerações. Além de mais interesse pelos novos protocolos de higienização, os quais os nossos anfitriões já estão orientados sobre isso”, observou.

O presidente ABIH-SP, Ricardo Roman, elogiou a parceria. Ele enfatizou que as realidades mudaram e as relações profissionais e sociais também.

“Agora, em vez de ter posse, teremos usar. As experiências são mais importantes do que ter. As certezas de ontem já não são mais as mesmas, em muitos casos ficaram obsoletas. Esse nosso pensamento, dos hotéis do Estado de São Paulo, é antes da pandemia, quero deixar bem claro isso. Precisamos rever e pensar tudo. Redefinir como vamos promover nossos hotéis e como maximizar o aproveitamento dos dados que, hoje, são o novo petróleo na dinâmica da economia. Nesse cenário, os hotéis independentes precisam estar ao lado do novo, da mudança que está em curso no Planeta”, disse.

Roman afirmou que a diretoria da ABIH decidiu, sem hesitar, se posicionar ao lado do novo.

“O Airbnb vinha manifestando interesse em se aproximar da hotelaria. Fizemos então o inusitado, o surpreendente, assinando um memorando de entendimento. Hoje, somos capazes de promover nossos hotéis para o mundo com os mesmos recursos de dez anos atrás que usávamos para promovê-los em nossas cidades. É agir local, é pensar global. Quanto mais formas de distribuição existir para nossos hotéis, menor será o pagamento da comissão. A livre concorrência traz esse benefício”, afirmou o presidente da ABIH-SP.

Além do Airbnb, há outras plataformas entrando no mercado e isso é bom para a hotelaria, alertou Roman. “A economia precisa girar. Os hoteleiros estão na ponta e precisam de todas as modalidades de canais de distribuição: agências de viagens, operadoras, entre outros, sem esquecer, é claro, da venda direta”, considerou.

Sobre os pilares dessa parceria, Flávia disse que primeiro é o comercial. Seguido pela promoção turística, fomento à sustentabilidade, melhores práticas, e compartilhamento de dados agregados para o melhor planejamento para o Turismo. “Sempre pensamos no nível institucional e setorial e, com base nesses pilares, assinamos o memorando”.

Outro painel da Expo Forum Visit SP, Como empreender no Turismo, teve como palestrante Wilson Poit, diretor-superintendente do Sebrae-SP.

“Neste momento, é fundamental falar de empreendedorismo no setor de Turismo. A notícia boa e animadora é que o Sebrae olha com muito otimismo para esse momento de retomada. E também para o ano que vem. O turismo nacional, para descontar tudo o que passou com essa pandemia, deverá ter um período muito forte, já começando com esse final de ano, com as viagens para o litoral, interior, entre outros destinos”, comentou o diretor-superintendente do Sebrae-SP.

Para depois completar: “Nesses sete meses, vimos empresários desse segmento passarem muito apertados. No caso dos pequenos negócios do mercado de Turismo, e nesse caso a gente fala de uma grande cadeia produtiva que tem em volta do roteiros, dos hotéis, dos restaurantes, o quanto essa crise foi brutal. A estimativa inicial do Sebrae, pesquisando com o nosso grande público, que são os pequenos e micros empresários, a queda no faturamento durante esses sete meses é de 90% em relação ao ano passado. Viagens e eventos foram os primeiros cancelamentos ou proibidos”.

As micro e pequenas empresas, conforme observou Poit, estão se reorganizando, reinventando e se reposicionando de forma rápida.

“As ligações telefônicas para o Sebrae triplicaram durante esse período. As principais demandas são para crédito, microcrédito orientado e inclusão digital. Atendemos muita gente e esse segmento é visto com atenção pelo Sebrae. Sabemos que o turismo bem estruturado pode mudar o perfil socioeconômico de um município e de toda uma região, com a nossa ajuda e a nossa capacitação empreendedora. Essa atividade do Sebrae envolve muito mais do que a atuação direta com os pequenos. Envolve diálogo com o poder público e articulação com outros setores. Sempre com foco no desenvolvimento, na produção de riquezas e na valorização do patrimônio, seja histórico, cultural ou ambiental.”

O diretor superintende enfatizou, ainda, que nos últimos dez anos o Sebrae teve uma atuação relevante e que a entidade está ativa, de forma gratuita, com muitos cursos e mentorias personalizadas.

“São trilhas de conhecimento em soluções que envolvem diagnóstico do negócio, consultoria personalizada, capacitação em oficinas, cursos e encontros de negócios, acessos a mercado, além de orientação para obtenção de crédito. A missão do Sebrae é auxiliar, agora, na reconstrução da cadeia e na construção de negócios competitivos. Como exemplo, cito o plano Dá gosto ser Ribeira, que acabamos de lançar, mas que foi elaborado no começo do ano. Ele abrange 22 municípios do Vale do Ribeira. É a primeira vez que se tem notícia de um plano de economia criativa tão bem elaborado que envolveu quase 300 empreendedores da região. Seja de gastronomia, artesanato ou de turismo”, divulgou.

Para o Estado de São Paulo, Poit declarou durante Expo Forum Visit SP que o Sebrae está apostando no Programa Sebrae de Turismo, inciativa com forte investimento e alinhado com a Secretaria Estadual de Turismo. “Começaremos a operar em breve e nos próximos três anos poderemos ajudar mais de 23 mil micro e pequenas empresas, além de mais de 600 mil que serão impactadas de forma digital. Serão 356 ações já planejadas e mais de 33 mil horas de consultoria gratuita para o setor do turismo.”

Para tratar do Movimento Supera Turismo Brasil e o Guia do Viajante Responsável foram escalados Aldo Leone, CEO da Agaxtur, e Carlos Prado, presidente do Conselho de Administração da Associação de Agências de Viagens Corporativas (Abracorp). Ambos lembraram a sua criação, em abril deste ano, já vislumbrando o que estava por vir: a paralisação do turismo.

“Hoje, o Supera Turismo é, literalmente, o maior organização turística do País, com o objetivo de empregabilidade, retomada do turismo e recomendações para uma viagem segura obedecendo todos os protocolos. Inclusive, nós entendemos que o turista também precisava ser consciente e por isso elaboramos o primeiro manual do viajante responsável”, contou Leone, acrescentando que “agora há uma nova meta: conceber o Cidadão Responsável e lançar a campanha O prefeito amigo do Turismo”.

Leia também Expo Fórum Visit SP aborda o futuro e as oportunidades no turismo

Deixe uma resposta