Início Aviação KLM bate recorde de passageiros em 2019

KLM bate recorde de passageiros em 2019

115
0
COMPARTILHAR

A KLM, companhia aérea holandesa, transportou o recorde de 35,1 milhões de passageiros a bordo em 2019 – um aumento de 2,7% em comparação com 2018.

Esse nível de crescimento gerou uma taxa de ocupação de passageiros de 89,4% para o ano como um todo, representando um aumento de 0,3% em relação ao ano anterior. O crescimento foi especialmente importante para os destinos operados na Europa, Ásia e nas Américas América do Norte, Central e do Sul.

Entre o Brasil e a Holanda, a companhia transportou 535 mil passageiros entre as bases no Brasil (Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo) e Amsterdã – um aumento de 5,3% em comparação com 2018. A taxa de ocupação, entre 2018 e 2019, se manteve estável acima dos 90%.

KLM atinge 694 destinos pelo mundo em cooperação com parceiros

“Mais uma vez, nos encontramos em uma posição mais forte do que um ano atrás. Oferecendo atendimento expandido ao cliente, conseguimos fortalecer nossa malha aérea mundial com a adição de seis novos destinos. Isso significa que agora servimos um total de 171 destinos KLM a partir de Schiphol. Em cooperação com nossos parceiros, oferecemos 694 destinos em todo o mundo. E mais uma vez, conseguimos manter a lealdade de nossos clientes com base na qualidade e atratividade de nossos produtos e serviços. O Grupo KLM (KLM e Transavia) recebeu outro recorde de 44,3 milhões de passageiros a bordo. Isso é um marco incrível, pelo qual sou muito grato a nossos clientes e funcionários”, afirma Pieter Elbers, Presidente e CEO da KLM.

A Transavia transportou 9,2 milhões de passageiros em 2019 — um crescimento de 4,4%, mantendo a mesma taxa de ocupação de passageiros. Para a KLM Cargo, o tráfego caiu 3,5% em 2019 como um todo, contra um aumento de capacidade marginal de 0,2%. Consequentemente, a ocupação da área de Cargas caiu 2,5%. A demanda de carga é fortemente impactada por fatores como a guerra comercial EUA-China, a queda geral no comércio mundial e o crescimento econômico em queda.

Leia também Como serão os aeroportos na próxima década

Deixe uma resposta