Início Aviação Embraer e Boeing devem criar nova empresa

Embraer e Boeing devem criar nova empresa

429
0
COMPARTILHAR

Comunicado da Presidência da República, do dia 10 de janeiro, informou que o governo federal não exercerá seu poder de veto (golden share) à negociação em andamento entre as companhias de aviação brasileira Embraer e norte-americana Boeing. Elas devem formalizar a criação da nova empresa que surgirá a partir da parceria.

A nova companhia será formada a partir do ramo de aviação comercial da Embraer. A Boeing pagará US$ 4,2 bilhões (o equivalente a R$ 15,8 bilhões) por 80% do capital da empresa. Os restantes 20% ficarão sob o controle da Embraer.

A Embraer ficará com 20% do capital da empresa a ser criada

Além desse negócio principal, as empresas também chegaram a um acordo sobre os termos de formação de uma segunda joint venture. O objetivo será promover e desenvolver novos mercados para o avião multimissão KC-390, de uso militar, desenvolvido pela Embraer. De acordo com a parceria proposta, a Embraer teria 51% de participação na parceria e a Boeing, os 49% restantes.

A empresa brasileira seguirá atuando independentemente da Boeing em aviação executiva e de defesa e segurança (excluindo o projeto KC-390).

Leia outras matérias sobre o assunto no link: Aviação

A formalização deve acontecer no final do ano

Ainda sob questionamento do Ministério Público do Trabalho, que tenta junto à Justiça barrar o negócio, a parceria precisará ser aprovada também pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e por órgãos de defesa da concorrência dos países em que as duas atuam. A expectativa é a de que a formalização da parceria estratégica aconteça até o final deste ano.

“Com a liberação do negócio pelo governo federal, e a consequente aprovação do Conselho de Administração da Embraer, a tendência é a de que a consolidação da nova companhia se dê naturalmente, sem restrições. Se trata de um segmento de atuação muito específico, em que não deve haver questionamentos quanto à defesa da concorrência”, afirma Robertson Emerenciano, especialista em Fusões e Aquisições e sócio do escritório Emerenciano, Baggio e Associados.

Em sua unidade de Everett. a Boeing quatro modelos de aeronaves

“A parceria tende a fortalecer a indústria aérea nacional. Vamos ter maior compartilhamento de conhecimento e mais acesso a tecnologias. Especialmente, tendo em vista que seguirão em solo nacional fábricas da nova organização”, conclui.

Deixe uma resposta