Início Cultural BID investe US$ 50 milhões no Selina Hotels

BID investe US$ 50 milhões no Selina Hotels

280
0
COMPARTILHAR

O IDB Invest, membro do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), formalizou um crédito de US$ 50 milhões para a rede global de hotéis Selina. O investimento irá apoiar a continuidade dos planos de expansão da rede na América Latina e no Caribe.

O financiamento, que inclui fundos mobilizados da Blue like an Orange Sustainable Capital, permitirá à Selina aumentar sua liquidez durante a pandemia de Covid-19. O objetivo é expandir sua presença geográfica na América Latina e no Caribe. Além de incorporar conceitos, produtos e serviços inovadores em suas propriedades.

O turismo é um grande apoio para as economias e apresenta alto rendimento de desenvolvimento. No contexto da pandemia, as empresas do setor precisam de liquidez para abraçar uma recuperação gradual.

“Nosso objetivo é apoiar o modelo de negócios disruptivo de Selina. Ele tem grande potencial de crescimento na América Latina e no Caribe. Especialmente em um ambiente pós-Covid. Transformar o portfólio existente em conceitos de hospedagem vibrantes, que apresentam espaços de trabalho e áreas de entretenimento, representa uma proposta de valor única. A capacidade de atrair estrangeiros e locais torna o conceito singular e autêntico. Ele contribui para a nossa estratégia de desenvolvimento do turismo sustentável para a região”, explicou Rogério Basso, Chefe de Turismo do IDB Invest.

BID investe US$ 50 milhões no Selina Hotels
Suíte do Selina Vila Madalena, na cidade de São Paulo

Selina gera oportunidades de emprego para artesãos locais, oferece treinamento a grupos vulneráveis e promove a inclusão de micro, pequenas e médias empresas em sua cadeia de valor. A rede global opera 80 hotéis em todo o mundo, 60 deles em 12 países da América Latina e Caribe.

Seu modelo de negócios consiste em gerar um uso mais eficiente dos espaços. Ele converte propriedades de baixo desempenho em hotéis modernos. Com isso, elas passam a apresentam um mix de acomodações privadas e comunitárias, áreas dedicadas de coworking e conceitos de alimentos e bebidas com curadoria local.

Além disso, cada propriedade é desenvolvida com materiais reciclados ou transformados para construção e decoração e várias propriedades estão em áreas rurais, que tinham turismo internacional limitado antes da entrada de Selina. A empresa se adaptou à crise da Covid-19 concentrando-se em operações mais eficientes. Além de estadias de longo prazo e seu modelo de assinatura recém-lançado.

“Estamos entusiasmados com a parceria com o BID, que está na vanguarda da implementação do desenvolvimento e da mudança social na América Latina e no Caribe. O investimento do BID em Selina proporcionará à empresa financiamento e recursos significativos à medida que continuamos a crescer e operar na região. E, talvez mais importante, o BID é o parceiro perfeito para Selina em sua missão contínua de retribuir às comunidades locais em que operamos e melhorar a vida em toda a região”, disse Rafael Museri, CEO e cofundador de Selina.

O financiamento consiste em um empréstimo de US$ 35 milhões com recursos do IDB Invest. Além da mobilização de um empréstimo B de US$ 15 milhões da Blue Like an Orange Sustainable Capital. Esta é a terceira operação conjunta entre as duas instituições, como parte de um acordo de cofinanciamento para catalisar investimentos com alto impacto de desenvolvimento na região.

BID investe US$ 50 milhões no Selina Hotels

A transação também serve como uma referência sobre como modelar e estruturar outros negócios de turismo semelhantes no segmento de acomodações modernas de rápido crescimento da região.

Por meio dessa transação, o IDB Invest reforça seu compromisso em reativar o turismo sustentável em toda a região. No contexto da crise da Covid-19, a recuperação dos destinos turísticos e das comunidades locais será apoiada por empresas de hospedagem como Selina, capazes de atrair os chamados “nômades digitais” e reconhecer as prováveis mudanças na flexibilidade geográfica para os trabalhadores pós-pandemia.

Leia mais sobre o setor de hotelaria no Brasil e no mundo 

Deixe uma resposta