COMPARTILHAR

No decorrer das últimas três semanas, a crise causada pelo Covid-19 se aprofundou severamente. Essa situação resultou em uma paralisação das viagens, gastronomia e entretenimento, o que está vastamente afetando a indústria hoteleira. Um exemplo disso é que, hoje, mais de metade dos hotéis do Grupo Accor no mundo estão fechados.

Esse índice deve chegar provavelmente a cerca de dois terços nas próximas semanas. Uma informação positiva é a confirmação do início da recuperação do mercado hoteleiro Chinês. No país asiático, houve leve melhora na ocupação e nas atividades do setor de alimentos e bebidas.

A deterioração abrupta da crise fez com que o grupo tomasse medidas drásticas nas suas operações ao redor do mundo. Elas foram indispensáveis para limitar o impacto sobre os ganhos e necessárias para nos prepararmos para a recuperação pós-crise.

Medidas de mitigação

Medidas foram tomadas já no início de fevereiro. Dada a situação, o grupo decidiu implementar ações agressivas. Entre elas, o banimento de viagens, o congelamento de contratações e estabelecimento de horários de trabalho reduzidos e/ou licença para 75% das equipes globais da matriz para o segundo trimestre, resultando em uma redução mínima de €60 milhões de euros nas despesas gerais e administrativas;

O grupo está simplificando ainda mais todos os outros custos (por exemplo, vendas, marketing, TI), de acordo com as receitas reduzidas.

Balanço Patrimonial do Grupo Accor

A Accor hoje pode contar com um forte balanço patrimonial, com mais de 2,5 bilhões de euros em caixa disponível e uma linha de crédito rotativo não utilizada de 1,2 bilhão de euros.

Embora exista muita incerteza sobre a duração dessa crise, o grupo espera um forte impacto no desempenho de 2020. Ainda assim, segundo sua alta direção, permanece o otimismo na perspectiva de longo prazo do setor de hospitalidade, para a Accor, seus colaboradores, proprietários e acionistas.

Medidas de solidariedade são a prioridade do grupo

Nestes territórios desconhecidos, o Conselho Administrativo da Accor decidiu hoje complementar as ações de gerenciamento descritas acima, retirando sua proposta de pagamento de dividendos em 2019 de 280 milhões de euros.

Após consultar os principais acionistas do grupo, JinJiang International, Qatar Investment Authority, Kingdom Holding e Harris Associates, a Accor decidiu alocar 25% do dividendo planejado (€ 70 milhões de euros) para o lançamento do “ALL Heartist Fund”, um veículo para fins especiais Covid-19.

Este fundo irá assistir os 300.000 colaboradores do grupo, comprometendo-se a pagar as despesas de saúde relacionadas ao Covid-19 para aqueles que não têm seguro social ou seguro médico.

Além disso, o grupo continuará implementando suas iniciativas de solidariedade para dar suporte a profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate ao vírus e a organizações sem fins lucrativos.

ALL Heartist Fund é destinado a ajudar colaboradores e parceiros

Essas iniciativas refletem a ambição do grupo e dos seus acionistas em oferecer contribuições significantes para iniciativas globais de solidariedade, com o objetivo de enfrentar a atual crise da saúde e planejar as necessidades futuras.

Esta decisão recebeu apoio unânime dos membros do conselho, que decidiram coletivamente reduzir em 20% as taxas de participação em benefício do “ALL Heartist Fund”. Além disso, Sebastien Bazin, presidente e CEO da Accor, renunciará a 25% de sua remuneração durante a crise. O equivalente em dinheiro também será contribuído para o fundo.

Sébastien Bazin, Presidente e CEO da Accor, comentou: “Acolher, proteger e cuidar de outras pessoas é a base do que fazemos. À luz da urgência e da escala da situação, decidimos agir de maneira imediata e significativa, no espírito de nossos valores e compromissos”.

“Através deste gesto, queremos expressar nossa solidariedade e gratidão a todos aqueles que demonstram coragem e altruísmo durante esta crise. Em nome do conselho, gostaria de agradecer aos principais acionistas do grupo. Sem eles, o “ALL Heartist Fund” não teria sido possível. Também quero prestar uma homenagem especial às equipes da Accor em todo o mundo. Elas estão enfrentando a crise atual com admirável coragem, dedicação e profissionalismo. Como nossa indústria está passando por tempos difíceis, temos que tomar decisões difíceis, mas a Accor tem um forte balanço patrimonial que irá permitir suportar essa crise e emergir com força durante o período de recuperação”, completou.

Leia também O que esperar da hospitalidade depois do Covid-19

Deixe uma resposta